O conceito de Internet das Coisas (IoT) está em constante aprimoramento. E mesmo sendo uma tecnologia relativamente nova, que ainda não se popularizou totalmente, não dá pra negar que vem ganhando cada vez mais espaço no cotidiano das pessoas, principalmente nas empresas.

A Internet das Coisas possibilita a integração de aparelhos eletrônicos, máquinas, sistemas de software e qualquer outro tipo de “coisa” (como o nome já sugere), que tenha acesso à internet (Rede Mundial de Computadores). Mas assim como os outros tipos de tecnologia, que necessitam de conexão para funcionar, a IoT possui inúmeras vantagens, mas também está sujeita a riscos, a maioria deles de Segurança da Informação.

Os avanços tecnológicos proporcionam muita facilidade, mas ao passo que os aparelhos e sistemas evoluem, os perigos também aumentam. Atualmente a Internet das Coisas pode ser aplicada em áreas que vão desde a medicina até o setor de agronomia e nas diferentes empresas que utilizam esse sistema, existem inúmeros sensores conectados, que podem ficar expostos a ação de pessoas mal-intencionadas.

Imagine a situação de uma empresa que atua com processos automatizados. Se um hacker tem acesso a rede que liga todos os dispositivos, essa corporação pode sofrer um grande prejuízo e ainda corre o risco de ser penalizada judicialmente, caso informações sigilosas, que podem interferir na vida de terceiros sejam expostas.

Para provar como isso acontece, um pesquisador da Avast fez um experimento reverso com uma cafeteira inteligente, na qual ele mostra como ela pode ficar vulnerável a intervenções externas.

Martin Horn descobriu que a máquina utilizava uma rede sem criptografia e utilizou essa informação em seu estudo. Depois que foi infectada, a cafeteira não reagia aos comandos que recebia, ao invés disso, iniciava funções aleatórias que não haviam sido selecionadas.

Para integrar a IoT a rotina de uma companhia, é preciso ter em mente que o planejamento com a estrutura é muito importante. Não basta apenas conectar os dispositivos, é preciso ter a garantia de que eles estarão a salvo de ameaças.

Senhas fracas podem facilitar o acesso de criminosos aos dispositivos. Como em qualquer outro processo, as senhas devem ser fortes e de preferência, diferentes de outras já utilizadas. Outro ponto que merece atenção é a rede, quando muitos aparelhos estão conectados a mesma rede, as chances de invasões aumentam consideravelmente. Isso acontece porque os funcionários usam seus celulares, fora da empresa e depois no ambiente corporativo.

Dessa maneira, quando um dispositivo fica vulnerável, todos os outros conectados também ficam. Por esse motivo, é importante contar com soluções que façam o monitoramento de tudo que passa pela rede.

No entanto, de nada adianta a segurança se os funcionários não tiverem domínio sobre os equipamentos IoT. Ter um suporte é essencial para evitar que falhas atrasem os processos, sem contar que isso dá mais propriedade para que os próprios colaboradores consigam lidar com maneira como as informações são armazenadas situações de risco e ataques de cibercriminosos.

Fique por dentro do acontece no mundo da tecnologia. Continue acompanhando nossas notícias!